-VIAGENS


Turismo com minha picape antiga.

  Minha picape já foi restaurada diversas vezes. Logo que a comprei, há 17 anos, tive de encarar uma restauração para colocar o carro em ordem. Havia muita ferrugem, o motor estava no fim da vida, o câmbio deixava escapar marchas, os freios estavam em péssima condição e a direção praticamente não tinha controle. Isso é mais ou menos normal com carros antigos, mas ninguém é obrigado a manter o carro assim.

Arrival   Nessa primeira restauração a picape foi toda desmontada e muitas peças foram trocadas, mas a parte mecânica, embora tenha sido toda reformada, foi mantida como era, isto é, conservei o mesmo motor Chevrolet 2.500 de quatro cilindros e o câmbio de quatro marchas.
A suspensão dianteira original também foi mantida. A vantagem disso era a facilidade de manutenção no Brasil, onde havia e ainda há abundância de peças para os antigos Opalas.

  A segunda restauração foi feita nos Estados Unidos. Além de uma nova pintura, mandei trocar toda a parte mecânica. Instalamos motor, câmbio, suspensão dianteira e traseira de uma picape Chevrolet C10 1984. O motor de 6 cilindros, 4.100 cc é igual ao de seis cilindros que equipava os Opalas no Brasil, mas o câmbio é automático, de três velocidades.

  Todo o conjunto do eixo dianteiro foi trocado. Na verdade, é o mesmo que equipava as nossas D20, um conjunto que fica parafusado ao chassi do carro, e que pode ser removido completo e colocado no chassi da minha picape. Há uma diferença de largura de uma polegada, que exigiu a instalação de uma chapa de meia polegada de cada lado do chassi, para que a nova suspensão pudesse ser bem montada. Mas funciona perfeitamente bem, não deixa o carro muito mais pesado e oferece duas grandes vantagens: maior conforto e muito mais segurança, por tratar-se de uma suspensão independente, com freios a disco ventilados.

  Foi ainda instalado um sistema de direção hidráulica de pinhão e cremalheira. A manutenção de todo esse conjunto também não é problema, dada a abundância de peças para as picapes Chevrolet nos Estados Unidos.

Picape  No Brasil eu sempre viajei muito com minha picape, percorrendo uma média de 1.000 km por mês, principalmente pelas estradas do estado de São Paulo. Isso foi até o fim de 1997 porque, em 1998, a picape foi trazida para os Estados Unidos. E aqui, continua sendo meu carro de todos os dias e serve para muitos passeios também. As estradas daqui, como todo mundo sabe, são excelentes, e modifiquei a parte mecânica da picape para poder viajar junto com os outros carros. Não como os demais carros antigos, devagar, em grupo, mas quase sempre sozinho, e na velocidade dos outros carros, isto é, um pouco acima do limite, que varia conforme a estrada.

  Em alguns lugares, o limite é de 90 km por outra. Em outros, 120 km por hora, e em outros ainda, chega a 130 km por hora. Isso quer dizer que há estradas nas quais eu viajo com minha picape antiga a 140 km por hora. Isso não seria possível com o motor original e o câmbio de três marchas que equipava originalmente a picape Chevrolet 1954.

  Estou programando alguns passeios com  minha picape para os próximos meses e, como bom jornalista, pretendo tirar muitas fotos e fazer vídeos também. Essas fotos e vídeos serão publicados aqui. Portanto, convido o leitor a acompanhar meu blog para ver minha picape em muitos cenários diferentes.
*   *   *